O tempo arranca cada fragmento de sanidade da alma, cada vez que por aqui passa.

domingo, 25 de julho de 2010

E agora?


E agora cada um segue com o seu caminho, traçando o seu próprio destino. É tempo de mudar. Tempo de crescer, de descobrir. Tempo de deixar para trás. Afinal, passado é passado, e agora, tudo são apenas memórias. Posso um dia me vir a arrepender de muita coisa, mas talvez vá ser isso que me ajude a continuar com mais força e determinação ainda. No fundo, acho que fomos duas crianças a brincar com o amor. Mas agora é tempo. Tempo de partir.

(A fotografia é tirada por mim.)

13 comentários:

  1. Não tem mal questionar se o fizemos algo bem, não tem mal deixar o passado e seguir em frente. Mas fingir que as acções passadas não magoam é pior. Parabéns pela coragem e excelente fotografia!

    (L)

    ResponderEliminar
  2. por vezes é necessário deixar, mesmo que ao inicio seja estranho, essa ''viagem'' no fim valerá apena :)

    ResponderEliminar
  3. Não é fácil dizer adeus, mas as vezes é necessário!

    ResponderEliminar
  4. fiquei completamente boquiaberta com as tuas palavras, com a tua sensibilidade, com a maneira como te expressas.
    uma rapariga que te tenha, deve sentir-se mesmo abençoada.
    nao sei onde ver o teu mail, tenho uma situaçao que gostava de partilhar ctg, para me ajudares...

    ResponderEliminar
  5. gosto do texto e da fotografia. escreves mesmo bem. :)
    força.

    ResponderEliminar
  6. Ai Hugo, custa tanto ler isto. Eu sei que és forte e adoro a raiva com que escreves mas arrepia-me ter de dizer um 'adeus', mesmo sendo inevitavel, sabendo que é mesmo preciso fazê-lo e que em muitos dos casos até é merecido. Custa e aprecio a tua coragem para o fazer . Estou aqui Hugo, sempre! ♥

    ResponderEliminar
  7. Diigo que continuas a escrever muito bem*

    E este texto fez-me lembrar que me custa deixar o passado, "esqueçer" um grande amor.

    Beijo, e continua :')

    ResponderEliminar
  8. Mais uma vez, lindo.
    Tanto a foto como o texto, deixam a pairar levente a pergunta: " E tempo de viver, quando é?" direi: sempre.

    (:

    ResponderEliminar