O tempo arranca cada fragmento de sanidade da alma, cada vez que por aqui passa.

sábado, 22 de maio de 2010

A inveja é desgraça!

Oh miúda da esquina
Não queiras tu ser o outro
Nem ser dona do que ele tem
Pois a inveja é desgraça
Do coitado a quem vem.

Dizias tu ser o mundo em carne viva
De peito erguido e bandeira na mão
Mas despes a alma... é só ferida
Lúcida no espelho da ilusão.

Pensas que já sabes amar e beijar
Mas teus lábios são secos como o sal
E na controvérsia deste poema
Já lhe tentaste extrair o mal.

Agora vem ler vestida de preto
E encontra em minhas palavras, o medo
Rouba me a oração de carvão
Que é fogo que arde no rochedo
A que tu chamas coração.

Mas digo sem a mágoa que de mim sumiu:
Não há quem sinta, como este sentiu!

7 comentários:

  1. lindo! cada verso, cada palavra está perfeito.
    tens mesmo talento :x

    ResponderEliminar
  2. "(...)
    Rouba-me a oração de carvão
    Que é fogo que arde no rochedo
    A que tu chamas coração"

    adorei! a melhor parte, mesmo
    parabéns, H *

    ResponderEliminar
  3. Onde vais buscar a tua inspiração ? *

    ResponderEliminar